11 novembro 2009

MOVIMENTO DE RENOVAÇÃO DA GEOGRAFIA


  • Tem início um movimento de renovação no momento em que a Geografia tradicional conhece uma crise. A busca de novos caminhos, nova linguagem, novas propostas, enfim uma liberdade maior de reflexão e criação.

  • Em meados do século XX a Geografia, orientada pelos seus velhos paradigmas, consegue apenas descrever e compreender realidades de um mundo tradicional.

Mudanças:

  • Econômicas (ex. época monopolista dos trustes e do grande capital, visão de estado como regulador e na ordenação da vida econômica);

  • Tecnológicas (avanços na física, química, engenharia, novos inventos, descobrimentos e procedimentos entram em cena);

  • No pensamento e método científico (corrente filosófica do chamado positivismo lógico que privilegia a quantificação com o uso de modelos matemáticos e estatísticos, representando uma aplicação do método científico aos fatos sociais);
Fatores:
  • Planejamento econômico (arma da intervenção do Estado) e territorial coloca função para as ciências humanas de gerar instrumental de intervenção (assumem feição mais tecnológica). A Geografia não apontava nessa direção, por isso a razão da crise (crise de linguagem – descritiva, insuficiente; crise metodológica e instrumental). Deveria se buscar novas técnicas para análise geográfica.

  • Urbanização atinge graus até então desconhecidos;

  • Quadro agrário modifica-se com a industrialização e mecanização da atividade agrícola;

  • O “local” perde espaço para o internacional devido a articulação cada vez mais crescente com uma economia mundializada (centros de decisão internacional) o que defasou o instrumental de pesquisa de uma Geografia criada para resolver situações simples, quadros locais fechados (complexidade da organização do espaço).

Fonte:

AMORIM Filho, Oswaldo B. Reflexões sobre as tendências teórico-metodológicas da Geografia. Belo Horizonte, ICHS, UFMG, 1978
CHRISTOFOLETTI, Antonio. As perspectivas dos estudos geográficos. In: Perspectivas da geografia. São Paulo: Difel, 1982.
CLAVAL, Paul. A Nova Geografia. Coimbra: Almedina, 1982.
CORRÊA, Roberto L. Região e organização espacial. 4ª ed. São Paulo: Ática, 1991.
FERREIRA, Conceição C.; SIMÕES, Nataércia N. A evolução do pensamento geográfico. Lisboa: Gradiva, 1986.
MORAES, Antonio C. R. Geografia: pequena história crítica. 19ª ed. São Paulo: Annablume, 2003.
SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova: da crítica da Geografia a uma Geografia Crítica. São Paulo: Hucitec, 1978.
SILVA, Armando Corrêa da. O espaço fora do lugar. São Paulo: Hucitec, 1988.

2 comentários:

  1. gostei muito e este teme esta me ajudando muito no meu trabalho da faculdade.

    ResponderExcluir
  2. Esta sendo muito eficaz para meus trabalhos da faculdade.

    ResponderExcluir